Skip to content

Manga

Especificações

Nome científico: Mangifera indica L.
Nome popular: Manga
Família botânica: Anacardiaceae
Origem e dispersão: Índia e Burma. Nestas regiões há outras espécies de Mangifera. Foi distribuída para muitas outras regiões tropicais. No Brasil chegou pelos portugueses, os quais a levaram também para a África.
Clima e solo: é uma planta tipicamente tropical, que se adapta a locais com inverno sem geadas e períodos secos, o que é importante para sua produção.
Propagação: vegetativa, via garfagem ou borbulhia. Como porta-enxerto são mais usadas a Rosinha (Coquinho) e a Espada, mas outras, resistentes à doença seca-da-mangueira foram selecionadas pelo I.A.C. de Campinas.
Variedades: na Índia já foram descritas mais de mil variedades. No Brasil são plantadas comercialmente algumas variedades de origem americana, como Tommy Atkins, Keitt, Palmer e Haden. Mais de 200 variedades nacionais existem, algumas com excelentes qualidades, como a Bourbon.
Utilização: consumida como fruta fresca, mas adequada ao processamento em calda, suco, néctar, geleia, “chutney” e muitos outros produtos. É uma fruta rica em nutrientes e Vitamina A.
Informações mais completas podem ser encontradas no Livro Frutas Exóticas (Funep, FCAV/Unesp).

VALOR NUTRICIONAL

Minerais – Cálcio – 8 a 12 mg; fósforo – 9 e 14 mg; potássio -136 a -148 mg.
Vitaminas – C – 25 mg (Haden = 32 mg), vitamina A – 389 retinol equivalente; B1 e B2 – 0,06 mg.
Fonte: DONADIO, L.C.; ZACCARO, R.P. Valor nutricional de frutas.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS
Com o desenvolvimento da fruticultura no Vale do São Francisco, a mangueira aí se expandiu, ganhou em qualidade e ampliação do período de oferta ao consumidor pela capacidade da citada região, e outras do Nordeste brasileiro, em produzir em várias épocas do ano, além de possibilitar ao Brasil sua exportação. A produção paulista limita-se aos meses de outubro a março, enquanto no NE há oferta durante todo o ano. A produção de manga brasileira, atualmente, acha-se nos Estados de Pernambuco, Bahia, São Paulo, Ceará e Minas Gerais, ocupando lugar de destaque na fruticultura brasileira, em volume de produção. Pelo plantio de muitas variedades e uso de tecnologias apropriadas, a produção atual de manga abrange praticamente o ano todo, embora a época normal vai desde outubro a fevereiro, quando se tem maior oferta, com preços mais baixos e boa qualidade, se cada variedade for colhida em seu ponto ideal de colheita. Há muita diferença na qualidade de cada variedade. Como excelentes podem ser incluídas a Bourbon, Palmer, Haden e a mais popular, a Tommy Atkins, tem qualidade média.

À esquerda. manga Tommy Atkins, principal variedade comercializada no mercado brasileiro. À direita, manga Palmer, em parte colhida verde e com baixa qualidade, vendida no mercado paulista em agosto de 2012
O consumidor deve estar atento na compra de manga, devido ao hábito de alguns produtores de colher frutas verdes, ou seja, antes de atingir sua maturidade fisiológica. Isso ocorre principalmente quando há pouca oferta de frutas no mercado, com preços mais altos. Para as variedades coloridas de vermelho ou roxo, frutas de cor verde devem ser rejeitadas, pois não atingirão a maturação adequada. Além disso, sua qualidade interna será sofrível, com baixo teor de açúcar e acidez alta. Para as frutas de cor verde, como a Bourbon, devem ser observadas a mudança para verde-claro, ou amarelada, e seu desenvolvimento adequado, além de sua época ideal de produção que ocorre entre final de novembro e dezembro em São Paulo. É comum também a oferta de variedades de maturação tardia antes de sua época ideal de colheita, para aproveitar preços maiores. Isso ocorre com a Palmer e Keitt, de excelente qualidade, mas sofrível, se colhidas verdes. O ideal para comprar essas variedades é entre fevereiro e abril para frutas produzidas em São Paulo. Frutas do Nordeste, destas variedades, podem ter boa qualidade em outras épocas, se oriundas da indução floral, mas também podem ser ofertadas ainda verdes. O período de oferta maior de manga das variedades Tommy Atkins e Palmer é entre setembro e janeiro. Essas duas variedades perfazem Boa parte do total comercializado, sendo atualmente vendidas em volumes próximos no CEAGESP de SP.
A manga é uma fruta que pode ser consumida de todas as maneiras: fresca, sucos, néctares, doces, geleia e chutneys e outros produtos. Tem valor medicinal. A manga exportada do Vale do São Francisco tem, em média, de 400 a 700 g e é obtida por indução floral em novembro, sendo colhida 112 dias após, mas aos 98 dias já inicia a maturação. A Haden pode ser colhida a partir de 70 dias até os 84 dias da florada, mas com 98 dias tem sua melhor qualidade, com SST de 8,5 ºBrix. A conservação da manga pode ser melhorada com uso de sachê de permanganato de potássio. Um problema chamado de colapso interno da manga pode ser minimizado com o uso de cálcio. O cloreto de cálcio também é usado para reduzir perdas pós-colheita, mas não altera o colapso interno, mas o reduz. No Rio Grande do Norte, em Açu, o tempo de colheita varia de 82 a 113 dias após a floração, para a Tommy Atkins, sendo de 89 a 96 o ideal, para manter a conservação por 21 dias para exportação.
Fonte: DONADIO, L.C.; ZACCARO, R.P. Valor nutricional de frutas.